Apesar de ser conhecido há séculos pelo homem, o câncer e suas várias formas de manifestação continuam como o maior desafio da ciência médica. E mesmo sendo tão prevalente, há grande desconhecimento do público sobre as origens, tratamentos e prevenção do câncer.1

Nosso corpo é constituído por trilhões de células. Cada uma das células tem seu próprio ciclo de vida. Elas nascem, crescem, se diferenciam com as características de cada órgão ou tecido a que elas pertencem e morrem. Este processo é natural e contribui para o correto funcionamento do organismo.1

O câncer surge quando as células crescem de forma desordenada. Cada célula está programada para crescer e se dividir em determinados momentos. Às vezes, este programa genético falha. Esta falha faz com que a célula cresça e se divida em situações em que ela não deveria. Quando isto acontece, ela se torna uma célula tumoral.1

Tumores benignos e tumores malignos

Quando um tumor fica restrito ao seu espaço inicial de divisão e não invade outras áreas e tecidos do corpo humano, damos a designação de tumor benigno. Já quando o tumor tem um comportamento agressivo e invade áreas vizinhas à sua, normalmente pelo sangue e pelos vasos linfáticos, damos a designação de tumor maligno. A essas infiltrações que geram novos tumores em outros órgãos e estruturas, denominamos metástases.2

Em resumo, entende-se que podemos dizer que o câncer é um grupo de células, crescendo descontroladamente, capaz de invadir estruturas próximas e, ainda, espalhar-se para diversas regiões do organismo. Não há, entretanto, possibilidade de transmissão entre pessoas, mesmo nos contatos mais íntimos. Mesmo que uma célula maligna penetrasse em outro corpo, ela seria rapidamente destruída pelo sistema imunológico desse organismo.2

Fatores de Risco

Tabaco
Considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a principal causa de morte evitável em todo o mundo, o cigarro é responsável por 30% das mortes por câncer e por 90% das mortes por câncer de pulmão. 2

Fatores ambientais
Estima-se que até 70% dos casos de câncer podem ser evitados simplesmente impedindo-se a exposição aos fatores de risco ambientais. A eliminação do hábito de fumar, modificações na dieta, com maior consumo de frutas, verduras, legumes e cereais, a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis e do controle na exposição a agentes químicos, radiações como as produzidas por aparelhos de radiografia (Raio-X) e por usinas nucleares, e raios ultravioleta são medidas práticas que contribuem para a redução máxima do risco de se desenvolver um câncer.1

Prevenção e Detecção precoce

Detecção precoce
Segundo a Organização Mundial de Saúde, 70% dos pacientes com câncer podem ser curados quando a doença é diagnosticada precocemente.1

O Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (NCI - National Cancer Institute) aponta que até 90% dos cânceres estão relacionados ao estilo de vida da população e à exposição de toxinas ambientais. No topo da lista disputam o uso do tabaco (causador de 30% de todos os tumores malignos) e a alimentação inadequada. (de 30% a 35%). 2

Álcool e cigarro
A combinação de cigarro e álcool é associada a diversos tipos de câncer da região da cabeça e pescoço. O uso de álcool e tabaco ao mesmo tempo aumenta ainda mais o risco de tumor nessas e em outras regiões, como a faringe e a laringe. O álcool está relacionado a 3% de todos casos de câncer.1,2

Alimentação
No Brasil, observa-se que os tipos de câncer que se relacionam aos hábitos alimentares estão entre as seis primeiras causas de mortalidade da doença. Entre os alimentos, há aqueles que se apresentam como fatores de risco e os que têm a função de proteger o organismo. 3

Substâncias ricas em gorduras, como carnes gordas, frituras e maionese, quando consumidas regularmente, parecem aumentar o risco de desenvolvimento de tumores malignos. O consumo exagerado de gordura também pode alterar os níveis de hormônios no sangue, o que aumentaria o risco de contrair câncer de mama.1

Uma dieta pobre em fibras está relacionada a um maior risco para o desenvolvimento de câncer de cólon e de reto, possivelmente porque o ritmo intestinal fica desacelerado e favorece uma exposição mais demorada da parede do intestino aos agentes cancerígenos ingeridos. 1

Recomenda-se, então, uma dieta composta por dois terços de alimentos de origem vegetal (frutas e verduras), grãos e cereais e um terço de origem animal, sendo aconselhável comer frituras apenas duas vezes por semana. 1

Exposição solar
De acordo com o Instituto Nacional do Câncer - INCA - , o câncer de pele é o tipo mais frequente no Brasil e corresponde a 25% dos tumores diagnosticados em todas as regiões geográficas. Como mais de 50% da população brasileira tem a pele clara e se expõe ao sol sem muito cuidado, nada mais previsível do que essa alta ocorrência por aqui.3

Vale lembrar que foi comprovada a ação cumulativa da exposição ao sol. Portanto, o cuidado com a pele deve ser tomado desde a infância. Deve-se usar filtro solar a partir dos 6 meses de vida; antes disso as substâncias do filtro solar podem provocar alergia nos bebês. 1

Hábitos sexuais
O sexo também pode ser responsável pela transmissão de microorganismos que podem estimular a formação de tumores. Não utilizar preservativos e se relacionar com uma grande quantidade de parceiros aumenta a chance de exposição a vírus sexualmente transmissíveis. Entre eles, destacam-se o herpesvírus tipo II e o papilomavírus (HPV), relacionados ao câncer do colo do útero; o vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) que, quando associado aos vírus citomegalovírus (CMV) e herpesvírus I e II, pode desencadear o aparecimento de sarcoma de Kaposi, que é um tumor do sistema linfático, dos cânceres da cavidade bucal e do reto.1,4

Verdades e Mentiras

Desodorantes anti-perspirantes podem causar câncer de mama?
Não existem pesquisas ou estudos que demonstrem haver qualquer ligação entre as duas coisas. Esse é mais um boato amplamente divulgado pela internet e já desmentido pela American Cancer Society. 1

Charutos e cachimbos provocam menos câncer de pulmão que cigarros comuns?
Tanto os cigarros como os charutos e fumo para cachimbos consistem em folhas de tabaco secas. Mais de 4.700 substâncias já foram identificadas no tabaco e na sua fumaça, sendo que dentre elas, 43 são comprovadamente cancerígenas. Como há mais fumantes de cigarros do que de charutos e cachimbos, a ocorrência de câncer por cigarro é maior, mas charutos e cachimbos são igualmente perigosos. 2

Pessoas da raça negra ou muito morenas não correm risco de ter câncer de pele?
Qualquer pessoa pode ter câncer de pele, embora aquelas com maior concentração de melanina na pele, como pessoas de pele negra, apresentem menor incidência da doença. Mesmo assim, todos devem proteger-se do sol através de vestimentas e filtros solares adequados e também evitar a exposição prolongada especialmente nas horas de maior radiação solar, das 10 às 16 horas.1

O tabaco causa apenas câncer de pulmão?
O hábito de fumar é a principal causa do câncer de pulmão, laringe, faringe, cavidade oral e esôfago. Também contribui para o surgimento do câncer de bexiga, pâncreas, útero, rim e estômago, além de algumas formas de leucemia. Parar de fumar é definitivamente a decisão mais saudável que um fumante pode tomar, seja pela condição cardiovascular e respiratória, seja pela prevenção do desenvolvimento de tumores.2

Exposição ao forno de microondas pode provocar câncer?
As microondas não tornam o alimento radioativo, nem apresentam risco de exposição à radiação quando usadas de acordo com as instruções. A exposição a altas doses de radiação por microondas pode ocasionar queimaduras ou propiciar o aparecimento de cataratas nos olhos, mas a pequena quantidade que pode vazar de um forno caseiro não causa problemas.1

Telefone celular pode produzir câncer, particularmente no cérebro?
Telefones celulares emitem doses pequenas de radiação eletromagnética. Até o momento, as pesquisas conduzidas para determinar a relação dessa radiação com o aparecimento de câncer não mostraram nenhuma evidência de que isso ocorra, mas o assunto permanece controverso e mais estudos são necessários para se chegar a uma conclusão.1

Fazer reposição hormonal aumenta o risco de se desenvolver câncer de mama?
As mulheres que são candidatas ao uso da reposição hormonal têm de estar atentas ao histórico familiar de câncer de mama, a antecedentes pessoais de lesões mamárias atípicas, a doenças auto-imunes em atividade e meningeoma (tumores das meninges que recobrem o cérebro e o sistema nervoso central). Estas situações podem ser agravadas com a reposição hormonal.1,5

Referências

  • 1. Organização Mundial da Saúde – Cancer Prevention. Disponível em http://www.who.int/cancer/prevention/en/. Acessado em 01 de agosto de 2016.
  • 2. Organização Mundial da Saúde – Tobacco Free Initiative. Disponível em www.who.int/tobacco/quitting/en. Acessado em 01 de agosto de 2016.
  • 3. Tenho câncer. E agora? – Vitória Herzeberg e Claudio Luiz S Ferrari – Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica
  • 4. Sinkovics JG. Molecular biology of oncogenic inflammatory processes. I. Non-oncogenic and oncogenic pathogens, intrinsic inflammatory reactions without pathogens, and microRNA/DNA interactions (Review). Int J Oncol. 2012 Feb;40(2):305-49.
  • 5.- Cancer: Principles & Practice of Onology – 7th edition – Lippincott Williams & Wilkins